Encontre aqui o livro que procura de forma mais rápida

Livros para ler nos clubes - catálogo

O quarteto de Alexandria

Pela primeira vez em Portugal, a edição reunida e revista pelo autor, em 1962, dos quatro livros que compõemO Quarteto de Alexandria- Justine, Balthazar, Mountolive e Clea. Os quatro romances exploram a sociedade daquela cidade poliglota e cosmopolita, repleta de intrigas, mistério e sensualidade, retomando genericamente uma mesma história sob diferentes pontos de vista, acrescentando e refazendo pormenores e situações.Justine, o primeiro livro da tetralogia, centra-se na bela esposa judia de Nessim, um poderoso banqueiro copta, narrando, do ponto de vista de um jovem aspirante a escritor, os encontros e desencontros de um grupo de amigos que se conhecem na cidade de Alexandria no período anterior à Segunda Guerra Mundial. Darley, o narrador, envolve-se com duas mulheres - a misteriosa Justine e a frágil Melissa. A partir desta complexa relação, nasce uma trama carregada de erotismo e subtilezas. Em Balthazar o narrador, isolado numa ilha onde vive com a pequena filha de Melissa, recebe a inesperada visita de Balthazar, que lhe entrega o manuscrito de Justine. Relendo o seu próprio texto e os comentários do amigo, Darley revive o seu envolvimento com as mulheres do seu passado e toma conhecimento de novos factos.Em Mountolive, o terceiro livro deO Quarteto de Alexandria, o autor apresenta os acontecimentos narrados em Justine e Balthazar sob uma nova perspetiva. A guerra faz a sua aparição e a trama gira agora em torno do embaixador britânico, David Mountolive, tendo como ponto de partida as recordações da sua paixão por Leila, a mãe de Nessim. Darley regressa a Alexandria a pedido de Nessim, levando a menina para que o pai e Justine a conheçam. O regresso do escritor é o fio condutor de Clea, o último volume desta série exuberante e sensual que é considerada uma obra-prima da literatura.

O Que é a Política?

Conforme as circunstâncias a Política (os políticos) recuperam a teologia para uso próprio ou a rejeitam. Invocam os grandes princípios ou os destroem; glorificam a psicologia, sociologia, a demografia, as armas termonucleares ou as condenam; invocam a legalidade contra a legitimidade ou o contrário, conforme os tempos «políticos». Reclamam a liberdade de imprensa, de informação e de consciência e... depois vilipendiam-nas. A política é tudo e nao é nada. Porquê?

O que faço eu aqui?

O  livro póstumo de Bruce Chatwin é uma “selecção pessoal” de ensaios, retratos, meditações, relatos de viagens e outras inqualificáveis formas de prosa “chatwiniana”, reunidas durante o seu terrível último ano de vida.

O que o cão viu

Qual é a diferença entre bloquear e entrar em pânico? Porque é que existem dúzias de variedades de mostarda mas apenas uma variedade de ketchup? Que nos ensinam os jogadores de futebol americano sobre a contratação de professores? Que nos diz a coloração do cabelo sobre a história do século XX? Na última década, Malcolm Gladwell escreveu três livros que mudaram radicalmente a forma como compreendemos o nosso mundo e como nos compreendemos a nós mesmos: A Chave do Sucesso, Blink! e Outliers. Agora, em O Que o Cão Viu, ele reúne pela primeira vez os melhores artigos que escreveu até ao momento para a revista The New Yorker. Aqui encontrarão a história agridoce do inventor da pílula contraceptiva e as criações maravilhosas de Howard Moskowitz, o pioneiro do molho para massas. Gladwell senta-se com Ron Popeil, o rei da cozinha americana, enquanto ele vende fornos para churrascos e adivinha os segredos de Cesar Millan, o «encantador de cães», que consegue acalmar animais selvagens com o toque da mão. Explora os testes de inteligência e a análise étnica de perfis, e explica porque é que os empresários de Silicon Valley se atropelaram uns aos outros para contratar o mesmo aluno universitário.

O rapaz de olhos azuis

Ele conhece-a há uma eternidade e, contudo, ela nunca o viu. É como se fosse invisível para a mulher que ama. Mas ele vê-a a ela: o cabelo; a boca; o rosto pequeno e pálido; o casaco vermelho-vivo na neblina matinal, como algo saído de um conto de fadas. Até agora, ele nunca se apaixonou. Assusta-o um pouco: a intensidade dessa emoção, a maneira como o rosto dela se intromete nos seus pensamentos, a maneira como os seus dedos traçam o nome dela, a maneira como tudo, de algum modo, conspira para que ela nunca lhe saia da cabeça… Ela não sabe de nada, claro. Tem um ar muito inocente, com o seu casaco vermelho e o seu cesto. Mas por vezes os maus não se vestem de preto e por vezes uma menina perdida na floresta é bem capaz de fazer frente ao lobo mau… 

O remorso de baltazar serapião

A aventura de Baltazar Serapião em reboliço com os seus amores pela formosa Ermesinda, moça com quem vem a casar e por quem se atormenta de ciúmes.Este é um romance de família e de viagem, em que o estigma de se ter um nome parece explicar à sociedade quem se é e que intenções se tem.Um romance, que é também uma aventura da linguagem ficcionando um português antigo que, não o sendo de facto, cria a ilusão de estarmos ao tempo de uma idade média tardia, feita de alçapões morais e de uma brutalidade primária, sobretudo cometida contra as mulheres.Este livro ostenta a violência a que historicamente a mulher foi sendo sujeita por uma mentalidade machista dominante. Uma violência ainda sem redenção.

O Retorno

1975 Luanda. A descolonização instiga ódios e guerras. Os brancos debandam e em poucos meses chegam a Portugal mais de meio milhão de pessoas. O processo revolucionário está no seu auge e os retornados são recebidos com desconfiança e hostilidade. Muitos não têm para onde ir nem do que viver. Rui tem quinze anos e é um deles. 1975. Lisboa. Durante mais de um ano, Rui e a família vivem num quarto de um hotel de 5 estrelas a abarrotar de retornados — um improvável purgatório sem salvação garantida que se degrada de dia para dia. A adolescência torna­-se uma espera assustada pela idade adulta: aprender o desespero e a raiva, reaprender o amor, inventar a esperança. África sempre presente mas cada vez mais longe.

O romance de uma conspiração

No dia 1 de Maio de 1964, com apenas 12 anos, Pedro assiste à morte do pai durante uma manifestação. Desse dia ficará uma mágoa imensa, a que se junta a carência do amor materno. Restam-lhe as memórias de afecto.Anos depois, oficial da Armada, integra o grupo de militares que sonham libertar Portugal da ditadura. Certo dia, uma ordem de operações coloca-o na pista de uma rede transnacional de conspiração e repressão que durante anos actuou a partir de Lisboa.Lisboa e a luz da cidade, Madrid e a grandeza da história, Luanda e a convulsão da guerra, são alguns dos cenários deRomance de uma Conspiração.Baseada em factos reais, esta obra não contribui apenas para um maior conhecimento de um dos períodos mais ricos da História Contemporânea de Portugal como revela, também, uma estreia notável na ficção nacional: João Paulo Guerra.

O sabor dos caroços de maçã

Um romance mágico que apela aos cinco sentidos. Três gerações de mulheres numa história repleta de segredos, de relações perigosas e amizades inesperadas, de nostalgia e esperança.Bootshaven, Norte da Alemanha. O cheiro a maçãs é intenso e envolve a antiga casa e o jardim. Um perfume que leva Iris, bibliotecária em Friburgo, de regresso aos tempos de criança. Muitos anos passaram, mas tudo parece como dantes: a casa na orla do bosque, as groselheiras brancas, os tapetes de miosótis abafados pelas ervas daninhas. Um jardim mágico, dominado pela velha macieira, debaixo da qual as mulheres da família Lünschen conheceram o amor, a amizade... e a morte.Iris recorda o terrível e misterioso acidente que vitimou Rosmarie, a sua prima querida, com apenas 15 anos. O que estava ela a fazer no telhado do jardim de inverno? E o que lhe teria tentado dizer?

O sonho do celta

Prémio Nobel da Literatura 2010. "O Sonho do Celta" baseia-se na vida do irlandês Roger Casement, cônsul britânico no Congo belga, em inícios do século XX, que durante duas décadas denunciou as atrocidades do regime de Leopoldo II. Este homem, amigo de Joseph Conrad (e que o guiou numa viagem pelo Rio Congo, revelando-lhe uma realidade mais tarde retratada no romance "O Coração das Trevas"), teve uma vida extraordinária, plena de aventura. Acérrimo defensor dos direitos humanos - como também o comprovam os relatórios que redigiu durante a estadia na Amazónia peruana - militou activamente, no fim da sua vida, o nacionalismo irlandês, acabando condenado à morte por traição e executado.

O tambor de lata

Odia do seu terceiro aniversário é uma data decisiva na vida de Oskar, o pequeno que não queria crescer. Não só é o dia em que toma a decisão de deixar de crescer, mas é também quando recebe o seu primeiro tambor de lata, objecto que se converterá num companheiro inseparável num percurso em que ecoam os compassos da história alemã antes e depois da II Guerra Mundial.A crítica mordaz, a ironia desapiedada, o humor corrosivo e a liberdade criadora com queGünter Grassconstrói esta obra-prima tornamO Tambor de Latanum dos livros mais importantes da história da literatura

O tempo entre costuras

«O Tempo entre Costuras» é a história de Sira Quiroga, uma jovem modista empurrada pelo destino para um arriscado compromisso; sem aviso, os pespontos e alinhavos do seu ofício convertem-se na fachada para missões obscuras que a enleiam num mundo de glamour e paixões, riqueza e miséria mas também de vitórias e derrotas, de conspirações históricas e políticas, de espias. Um romance de ritmo imparável, costurado de encontros e desencontros, que nos transporta, em descrições fiéis, pelos cenários de uma Madrid pró-Alemanha, dos enclaves de Tânger e Tetuán e de uma Lisboa cosmopolita repleta de oportunistas e refugiados sem rumo. Mais de 450 000 livros vendidos em Espanha
escute os nossos podcasts
Publicidade Rodapé 2

subscreva a nossa newsletter

Sabedoria Alternativa 2011 © Clube da Leitura - Todos os direitos reservados