Encontre aqui o livro que procura de forma mais rápida

Livros para ler nos clubes - catálogo

A Ponte

Este livro oferece o relato até à data mais completo de Obama. Através de longas entrevistas aos amigos e professores, mentores e antipatizantes, familiares e ao próprio Obama, David Remnick permite-nos ver como um jovem confuso, desenraizado e solitário se reinventou - primeiro fazendo trabalho comunitário em Chicago, uma experiência que o motivou para trabalhar na política e lhe deu um lar e uma comunidade - e depois se sentiu impelido a entrar na Escola de Direito de Harvard, onde ganharia um sentido de missão mais abrangente.

A princesa do gelo

De regresso à cidadezinha onde nasceu depois da morte dos pais, a escritora Erica Falk encontra uma comunidade à beira da tragédia. A morte da sua amiga de infância, Alex, é só o princípio do que está para vir.Com os pulsos cortados e o corpo mergulhado na água congelada da banheira, tudo leva a crer que Alex se suicidou.Quando começa a escrever uma evocação da carismática Alex, Erica, que não a via desde a infância, vê-se de repente no centro dos acontecimentos. Ao mesmo tempo, Patrik Hedström, que investiga o caso, começa a perceber que as coisas nem sempre são o que parecem. Mas só quando ambos começam a trabalhar juntos é que vem ao de cima a verdade sobre aquela cidadezinha com um passado profundamente perturbador.

À procura de Sana

Um escritor - o próprio Richard Zimler - encontra, num festival em Perth, na Austrália, uma admiradora, bailarina numa companhia de dança brasileira, que lhe diz que o seu livro O Último Cabalista de Lisboa influenciou profundamente a sua vida. Depois, o inesperado acontece: a mulher, Sana, suicida-se atirando-se da janela em frente do escritor. Zimler torna-se então personagem do seu romance, ao mesmo tempo o investigador e o narrador da enigmática história de Sana. Em Paris encontra Helena, a amiga de infância de Sana, e começa a desenrolar o fio da vida de ambas, uma palestiniana e outra judia, nascidas e criadas em Haifa, quando a convivência pacífica entre as comunidades palestiniana e judia era ainda possível. As investigações de Zimler levam-no cada vez mais fundo numa teia de ilusões, crueldade e vingança - e finalmente até ao 11 de Setembro de 2001, quando a tragédia que testemunhou em Perth se consuma.

A queda de um anjo

Calisto Elói é um erudito fidalgo transmontano, austero e conservador, ligado ao passado, às lições da História, às antigas noções de moralidade e bondade e mergulhado constantemente nos seus clássicos de História, Cultura, Música, Vinhos, Filosofia. Eleito deputado do Minho, Calisto é enviado para Lisboa como representante da região. Defensor acérrimo das suas convicções sobre a moral, a verdade e a justiça, a sua cruzada contra a depravação e a corrupção acaba esquecida, quando ele próprio se deixa corromper pelo luxo e pelo prazer que imperam na capital, tomando como amante uma prima afastada, Ifigénia, e transitando da oposição miguelista para o partido liberal no governo. Ironicamente, Teodora, esposa de Calisto, acaba por imitá-lo na devassidão: desprezada pelo marido, une-se a um primo interesseiro e sucumbe aos vícios da modernidade.

A queda dos gigantes

O primeiro volume da trilogia 'O Século' é o novo épico histórico que acompanha a vida de cinco famílias - americana, alemã, russa, inglesa e escocesa - que se cruzam durante o período tumultuoso da Primeira Grande Guerra, da Revolução Russa e do Movimento Sufragista. Neste primeiro volume, que começa em 1911 e termina em 1925, travamos conhecimento com as cinco famílias que nas suas sucessivas gerações virão a ser as grandes protagonistas desta trilogia. Os membros destas famílias não esgotam porém a vasta galeria de personagens, incluindo mesmo figuras reais como Winston Churchill, Lenine e Trotsky, o general Joffreou ou Artur Zimmermann, e irão entretecer uma complexidade de relações entre paixões contrariadas, rivalidades e intrigas, jogos de poder e traições. Um extraordinário fresco, excepcional no rigor da investigação e brilhante na reconstrução dos tempos e das mentalidades da época.

A questão de Finkler

Divertido, furioso, implacável, este extraordinário romance apresenta um dos mais brilhantes escritores da atualidade no seu melhor.Julian Treslove está em plena crise de identidade. Ele não tem uma opinião muito concreta sobre a circuncisão, o conflito entre Israel e a Palestina, ou os monumentos ao Holocausto - na verdade, sobre todo e qualquer aspeto da cultura judaica dos nossos dias. Mas o verdadeiro problema com a identidade de Julian é não ser judeu - não que esse pequeno pormenor o impeça de viver obcecado com o judaísmo.No início do livro Julian, de 49 anos, acaba de sair de um jantar com o seu colega dos tempos de escola Sam Finkler e do antigo professor de ambos, Libor Sevcik. Sam e Libor, ambos judeus, perderam recentemente as suas esposas. O passado de Julian com as mulheres é um pouco diferente: nunca se casou e tem dois filhos adultos que sempre ignorou. No meio dos seus devaneios, enquanto regressa a casa, acaba por ser assaltado por uma mulher que, ao partir, lhe chamaJudeu- ou pelo menos foi isso que lhe pareceu ouvir. A partir desse momento, o seu sentido de identidade começará a transformar-se radicalmente

A Rainha Predileta

Filha de uma família nobre e ambiciosa, Jane Seymor é enviada como aia de Catarina de Aragão, a mulher de Henrique VIII. Muito dedicada à rainha, é com tristeza que Jane assiste às manipulações de Ana Bolena para se tornar rainha, que incluem o homicídio de alguém que sabia um segredo seu. Também Jane se torna vítima do ódio de Ana quando esta descobre o interesse do rei pela aia. Como Ana Bolena não lhe consegue dar filhos, o rei pede a Jane que seja a sua próxima rainha. Dividida entre o seu coração e a lealdade ao rei, Jane tem uma difícil escolha a fazer.

A redenção das águas

A voz íntima de Pedro Fontes, criado do infante D. Manuel, guia-nos em A REDENÇÃO DAS ÁGUAS pelos anos de 1742 a 1750, momento em que Portugal se vê preso nas angústias do rei absoluto e magnânimo, de súbito consciente da sua mortalidade física. À voz de Pedro junta-se a de Sara, filha ilegítima do rei. Foi aliás na vila das Caldas, também ela personagem maior, que D. João V reconheceu, a 6 de Agosto de 1742, os seus três filhos ilegítimos, todos de freiras do convento de Odivelas. O terror da morte, que, como diz o narrador, «retira todo o sentido à forma cuidadosa como vamos organizando a vida, com total desprezo e insensibilidade por títulos, precedências e protocolos», não impede um amor que parece abrir um rio de possibilidades. Uma época fascinante deixa-se desenhar com rigor histórico pelo fio da narrativa como se de um quadro se tratasse, uma pintura capaz de incluir o perfume do barro e dos veludos.

A sabedoria infinita de Harriet Rose

Harriet Rose, como a generalidade das adolescentes é ingénua, tem auto-estima e acha sempre que tem qualquer coisa a dizer. Há porém algo que a distingue: uma admiração incondicional por Marco Aurélio, que imita fervorosamente escrevendo ocasionalmente reflexões filosóficas sobre a sua própria vida. Com a morte prematura do pai, Harriet sente-se compelida a escrever as suas meditações. Pelo seu 14º aniversário recebe um presente único e inesperado. A mãe e a avó oferecem-lhe a edição dos seus pensamentos. Uma mãe publicitária, uma avó directora comercial e o talento de Harriet, uma autora com potencial, catapultam o livro para o êxito. Mas, Harriet vê-se empurrada para um caminho que nem ela própria, na sua infinita sabedoria estava preparada para percorrer. Poderá a sua felicidade - ou ingenuidade - durar?Trata-se de um romance que segue três gerações de mulheres. A história acompanha a pequena Harriet, uma adolescente marcada pela morte prematura do pai e que tenta ultrapassar esse desgosto. Incentivada por este escrevera sempre os seus pensamentos à moda do Imperador romano Marco Aurélio. Para lhe darem apoio e força a mãe a avó decidem publicar os pensamentos da jovem (a mãe trata dos aspectos gráficos e a avó trabalha como comercial colocando o livro nas livrarias e falando com jornalistas) e o livro torna-se bestseller no Reino Unido. Sem saber bem como, Harriet dá por si a ser consultada pelas colegas da escola e a ser convidada para a rádio e televisão, tornando-se numa celebridade. O registo do livro é semelhante ao MUNDO DE SOFIA e consegue ser tão divertido quanto profundo.

A Sentinela

A 4 de outubro, chegam às livrarias o mais recente romance de Richard Zimler,A Sentinela, e aindaO Último Cabalista de Lisboa, que catapultou o autor para o sucesso internacional. É com estes dois livros que a Porto Editora inicia a publicação da obra deste escritor americano radicado em Portugal, cujos livros podem ser encontrados por toda a Europa, Estados Unidos e Brasil.Conhecido pelos seus romances históricos, Richard Zimler surpreende-nos desta vez comA Sentinela, um policial psicológico passado na Lisboa dos nossos dias, em que o olhar do autor está sempre presente, denunciando os erros que têm vindo a marcar a nossa sociedade.A SENTINELA6 de julho de 2012. Henrique Monroe, inspetor-chefe da Polícia Judiciária, é chamado a um luxuoso palacete de Lisboa para investigar o homicídio de Pedro Coutinho, um abastado construtor civil. Depois de interrogar a filha da vítima, Monroe começa a acreditar que Coutinho foi assassinado ao tentar defender a perturbada adolescente do violento assédio sexual de algum amigo da família. Ao mesmo tempo, uma pen que o inspetor descobre escondida na biblioteca da casa contém alguns ficheiros com indícios de que a vítima poderá também ter sido silenciada por um dos políticos implicados na rede de corrupção que o industrial montara para conseguir os seus contratos.Tendo como pano de fundo o Portugal contemporâneo, um país traído por uma elite política corrupta, que sofre sob o peso dos seus próprios erros históricos, Richard Zimler criou um intrigante policial psicológico, com uma figura central que se debate com os seus demónios pessoais ao mesmo tempo que tenta deslindar um caso que irá abalar para sempre os muros da sua própria identidade.

A solidão dos números primos

Alice é obrigada pelo pai a frequentar um curso de esqui para ser forte e competitiva, mas um acidente terrível deixará marcas no seu corpo para sempre.Mattia é um menino muito inteligente cuja irmã gémea é deficiente. Quando são convidados para uma festa de anos, ele deixa-a sozinha num banco de jardim e nunca mais torna a vê-la. Estes dois episódios irreversíveis marcarão a vida de ambos para sempre. Quando estes "números primos" se encontram são como gémeos, que partilham uma dor muda que mais ninguém pode compreender.

A sombra do que fomos

Luis Sepúlveda regressa ao romance com uma grande homenagem ao idealismo dos perdedores.Num velho armazém de um bairro popular de Santiago do Chile, três sexagenários esperam impacientes pela chegada de um quarto homem. Cacho Salinas, Lolo Garmendia e Lucho Arencibia, antigos militantes de esquerda derrotados pelo golpe de estado de Pinochet e condenados ao exílio, voltam a reunir-se trinta e cinco anos depois, convocados por Pedro Nolasco, um antigo camarada sob cujas ordens vão executar uma arrojada ação revolucionária. Mas quando Nolasco se dirige para o local do encontro é vítima de um golpe cego do destino e morre atingido por um gira-discos que insolitamente é lançado por uma janela, na sequência de uma desavença conjugal...Prémio primavera de Romance 2009,A Sombra do que Fomosé um virtuoso exercício literário posto ao serviço de uma história carregada de memórias do exílio, de sonhos desfeitos e de ideais destruídos. Um romance escrito com o coração e o estômago, que comove o leitor, lhe arranca sorrisos e até gargalhadas, levando-o no fim a uma reflexão profunda sobre a vida.
escute os nossos podcasts
Publicidade Rodapé 2

subscreva a nossa newsletter

Sabedoria Alternativa 2011 © Clube da Leitura - Todos os direitos reservados